Yang Sheng

As práticas Yang Sheng na promoção da saúde

A definição de promoção de saúde pública da Organização mundial de saúde (OMS) encaixa-se bem na premissa da Medicina Tradicional Chinesa (MTC), quando afirma ser necessário desenvolver bons hábitos pessoais para nutrir as causas da saúde.

A OMS define a promoção da saúde pública como um processo que implica a aquisição de hábitos que devolvam ao individuo o controle sobre a sua saúde através da gestão dos seus determinantes. (Perry, Presley-Cantrell, & Dhingra, 2010)

O médico Michael O’Donnell, define-a como: “a ciência e a arte de ajudar as pessoas a mudar seu estilo de vida para avançar para um estado de saúde ideal, que inclui saúde física, emocional, social, espiritual e intelectual (Health & Disease, 2010, p. 2)

Deste modo, envolver as pessoas desafiando-as a assumir responsabilidade pela sua saúde e pelo seu processo terapêutico é a maneira mais eficaz de promover a saúde pública, e que vai ao encontro da recomendação da OMS acerca da necessidade de encontrar novos métodos terapêuticos que ajudem a combater as doenças mentais de raiz emocional.

Ao longo dos milénios foram várias as culturas que se focaram no desenvolvimento de métodos terapêuticos centrados em práticas internas dentro das suas tradições contemplativas espirituais com ligação próxima às medicinas tradicionais.

Essas práticas apresentam nomes e formatos diferentes, dependendo das suas culturas de origem sendo interessante observar que apesar da distância geográfica e temporal que as separam, todas consideram este tipo de práticas como a melhor medicina preventiva.

Na cultura Chinesa chama-se Yang Sheng ao conjunto de práticas internas que se dedicam à nutrição das causas da saúde física e mental do individuo.
O objetivo destas práticas é encorajar um estilo de vida que suporte as necessidades do corpo e cultive as qualidades que temperam a mente e modelam as ações. Em troca elas devolvem equilíbrio, tranquilidade e confiança que são as bases para auferir de uma melhor saúde física, mental e social.

Em geral, estas atividades podem ser efetuadas em todos os estágios da vida – nascimento, crescimento e envelhecimento. São usadas para melhorar a saúde e alcançar a longevidade através de técnicas abrangentes, como cultivar espírito, ajustar dieta, exercitar o corpo, regular o humor, moderar a vida sexual e adaptar-se ao clima, e assim por diante.

Quando passam a fazer parte dos hábitos e rotinas dos pacientes, elas complementam a prática em clínica alinhando-se com a recomendação feita pela OMS de encontrar novas formas de prevenção e tratamento dos distúrbios emocionais e psicológicos.

Uma das principais razões pelas quais as pessoas se tem sentido cada vez mais atraídas pela MTC é o facto desta incluir uma visão holística (mais abrangente) do individuo. Esta visão que unifica o corpo, mente, espírito e meio envolvente surge na raiz da MTC como influência do Confucionismo, Taoísmo e Budismo (Aung, Fay, & Hobbs, 2013, p. 6). Estes quatro aspetos são como diferentes camadas interdependentes umas das outras.
Assim como a composição química da água é dependente da relação entre as moléculas de oxigénio e hidrogénio, também o bem-estar do individuo depende da saúde de cada camada. Mexer numa é mexer em todas, e o que influencia uma influencia as restantes.

Nesse sentido Yang Sheng pode ser o conceito mais importante da cultura chinesa ligado à saúde. A palavra chinesa “Yang” significa nutrir ou cuidar; “Sheng” significa vida, nascimento, vitalidade ou mente entre outros. Juntos, a expressão “Yang Sheng” significa nutrir a vida promovendo a saúde do corpo, da mente e do espírito em harmonia com os ritmos naturais e com as leis universais.

Em vez de tratar doenças, o foco destas práticas está no desenvolvimento de uma consciência acerca da interdependência entre as nossas ações e os seus resultados que são inevitavelmente colhidos imediatamente mais à frente ou num futuro distante.
Um bom exemplo seria um murro na parede num ato de raiva com resultados imediatos ou problemas de coluna devido a décadas de má postura.

A preservação da saúde (prevenção) através do cuidado diário em vez do tratamento da doença, é uma característica central da prática da medicina Chinesa. Ela difere nesse aspeto da medicina ocidental com a qual estamos mais familiarizados e que se concentra em dividir e subdividir as estruturas com o objetivo de conhecer os agentes patológicos e a bioquimica envolvida nas doenças e disfunções.

Referências:

Perry, G. S., Presley-Cantrell, L. R., & Dhingra, S. (2010). Addressing mental health promotion in chronic disease prevention and health promotion. American Journal of Public Health, https://doi.org/10.2105/AJPH.2010.205146

Health, M., & Disease, C. (2010). Addressing Mental Health Promotion in Chronic Disease Prevention and Health Promotion, 100(12), 2337–2339.

Aung, S. K. H., Fay, H., & Hobbs, R. F. (2013). Traditional Chinese Medicine as a Basis for Treating Psychiatric Disorders: A Review of Theory with Illustrative Cases.

Medical Acupuncture, https://doi.org/10.1089/acu.2013.1007

Partilhe este artigo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

Marque uma consulta

Faça a sua pré-marcação através do formulário abaixo. Entraremos em contacto consigo para confirmar a data.

Contactos

Este website utiliza cookies para melhorar a sua experiência de utilização deste website. Veja aqui a nossa Política de Privacidade.