Acupuntura

Acupuntura

algumas curiosidades

Em chinês, a acupuntura é chamada “zhen jiu”, que significa agulha e moxa. O termo acupuntura foi criado por clérigos ocidentais no século XVI, termo que se traduz por punção por agulha

Na Medicina Tradicional Chinesa os tratamentos de acupuntura são efetuados após um diagnóstico feito a partir do seu corpo de conhecimento e que tem em conta a circunstancia particular do paciente no momento.

A principal aplicação da chamada acupuntura médica (que não segue os princípios da MTC) é a gestão de dor e a substituição da analgesia farmacológica em procedimentos dolorosos.

Quando efetuada dentro do seu contexto origina o seu leque de aplicações é muito mais abrangente:

  • Alívio da dor articular e muscular
  • Ajuda na perda de peso
  • Diminuição do stress e da ansiedade
  • Ajuda para deixar de fumar
  • Alívio da dor de cabeça/enxaqueca
  • Alívio dos sintomas de TPM
  • Benefício para doentes oncológicos
  • Ajuda no sistema digestivo
  • Tratamento de lesões
  • Redução de sintomas da menopausa

Em Portugal para ser acupuntor é necessária uma cédula profissional que só pode ser obtida com formação específica, pois a profissão está legalmente regulada enquanto profissão de saúde e de ensino superior.

A prática da acupuntura é feita tradicionalmente no contexto da Medicina tradicional Chinesa (MTC) e envolve a inserção de agulhas muito finas em pontos específicos no corpo.

A aplicação de agulhas é frequentemente usada em combinação com moxabustão que envolve o uso de calor proveniente da queima de uma planta (Artemísia sinensis ou Artemísia vulgaris).
A estreita relação entre o uso das agulhas e da moxa, na acupuntura, é evidente na tradução literal da expressão que em chinês designa acupuntura (Zhen Jiú – 针灸), sendo Zhen (针) agulha e Jiú (灸) fogo (ação de cauterizar).
No contexto da MTC, a acupuntura é utilizada em função de um conjunto único de sintomas discutidos em consulta por meio de questionário e observação, através dos quais o profissional chega a um síndrome ou síndromes que dominam o panorama clínico do paciente. Esses síndromes vão definir a estratégia terapêutica a seguir e o protocolo de pontos e técnicas a utilizar.

Na sua viagem para o Ocidente tem sido alvo de grande interesse e investigação por parte do Ocidente que a tem utiliza essencialmente como auxiliar na gestão e controlo de dor muscular e crónica. No contexto da medicina Ocidental esse efeito é explicado pela ligação entre a inserção das agulhas e a libertação de endorfinas (analgésicos naturais do corpo).

Esta utilização embora tenha o seu lugar, não espelha o potencial terapêutico nem a totalidade de benefícios da acupuntura quando utilizada no contexto da MTC que oferece uma lógica e visão próprias no diagnóstico e tratamento de problemas de saúde.

A acupuntura é geralmente segura quando administrada por um profissional experiente e adequadamente treinado, usando agulhas esterilizadas, descartáveis de uso único.
Os efeitos colaterais comuns incluem comichão, vermelhidão e pequenos sangramentos estancados imediatamente com algodão onde as agulhas foram inseridas, sendo uma percentagem muito reduzida no número total de punturas. 

Embora a acupuntura tenha sido introduzida na Europa no início do século XVII, o ceticismo sobre a sua eficácia continua a existir em países onde a medicina ocidental é a base dos cuidados de saúde. Por essa razão ela tem sido alvo de estudos científicos que avaliam a sua eficácia em ensaios clínicos controlados.
Alguns desses estudos forneceram resultados incontornáveis, gerando evidência científica de que a acupuntura é muito mais do que efeito-placebo na maioria das condições. Por exemplo, a percentagem de dor crónica aliviada com acupuntura anda na faixa de 55% a 85% em comparação com o uso de fármacos potentes como a morfina cuja percentagem anda na casa dos 70%. O efeito-placebo ronda os 30% a 35%.

Em 1979, a Organização Mundial de Saúde (OMS) editou uma lista com 41 doenças que apresentaram excelentes resultados com o tratamento de acupuntura. Após vinte e cinco anos de pesquisas em  instituições de renome do mundo, a OMS publicou o documento: “Acupuncture: Review and analysis of reports on controlled clinical trials” no qual expõe os resultados destas pesquisas.

Neste documento foi analisada a eficácia da acupuntura, assim como das técnicas de moxabustão, ventosas, eletro-acupuntura, massagem shiatsu / tuina e acupressão (pressão digital nos pontos) em comparação com tratamentos convencionais para 147 doenças, sintomas e condições de saúde.